Logo Fundação biblioteca digital do alentejo uma janela aberta para a cultura alentejana bda

BARRETO, João Franco

(n. Lisboa em 1600)

 

Escritor português, filho de Bernardo Franco e Maria da Costa Barreto. Ignora-se a data do seu falecimento, sabendo-se apenas que ainda vivia em 1674.

 

Fez parte da expedição que, em 1624, se dirigiu à Baia, para libertar essa cidade das mãos dos holandeses, que então a tinham conquistado. Dessa viagem e campanha, João Franco Barreto escreveu a história manuscrita. Regressado a Portugal, consagrou-se inteiramente às letras e publicou em 1631 uma fábula mitológica em oitavas intitulada Cyparisso, que mereceu os elogios de D. Francisco Manuel de Melo. Frequentou o curso de Cânones na Universidade de Coimbra, e acompanhou a França em 1641, na qualidade de secretário, o embaixador Francisco de Melo, cujos filhos leccionara em Coimbra. Em 1642 publicou a história dessa viagem e nesse mesmo ano deu à luz outra obra também inspirada pela sua residência em França, com o seguinte título: Catálogo dos reis e rainhas de França desde Pharamundo até Luiz XIII.

 

Casou com uma senhora da vila do Redondo. Enviuvou e fez-se sacerdote. Foi nomeado pároco do Redondo, passando mais tarde para o Barreiro (1648), onde exerceu o cargo de vigário de vara.

 

Escreveu: Biblioteca portuguesa, obra de que Barbosa Machado ainda viu o manuscrito nas livrarias dos duques de Lafões e Cadaval; História dos cardiais portugueses; História eclesiástica da cidade de Évora; Olhos, suas virtudes e vícios; Genealogia dos deuses gentílicos e muitas poesias soltas. Além destas obras, que ficaram manuscritas, publicou: Ortografia portuguesa (1671). Dirigiu também a edição de um Dicionário dos nomes próprios, e escreveu ainda: Discurso apologético sobre a visão do Indo e Ganges que o grande Luís de Camões representou em o canto IV dos Lusíadas a el-rei D. Manuel (Coimbra, 1639). Em 1642 obteve privilégio de D. João IV para que só ele traduzisse e publicasse as Relações e Gazetas de França que chegavam a Lisboa e eram, até então, vertidas por pessoas de pouca probidade.

 

 

In Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Lisboa; Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia Lda., [195-]. Vol. IV, pp. 279-280.

 

Publicado:

2007-10-22 09:08:54

   
Um Projecto Fundação Alentejo-Terra Mãe Projecto Financiado Pela União Europeia Pos Conhecimento