Logo Fundação biblioteca digital do alentejo uma janela aberta para a cultura alentejana bda

QUEIROZ, José Maria Eça de

(n. Póvoa do Varzim em 1845; m. Paris em 1900)

 

Escritor, licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, funcionário do quadro do pessoal técnico superior do Ministério dos Negócios Estrangeiros, exercendo as funções de cônsul. É considerado o principal introdutor do romance realista em Portugal. A sua importância para a História da Literatura Portuguesa foi assinalada por António José Saraiva e Óscar Lopes, e a sua vida e obra foi objecto dum exaustivo ensaio biográfico da autoria do crítico João Gaspar Simões, em 1945. Ainda hoje deve ser o escritor português mais lido em Portugal e no Brasil, e aquele que é objecto de maior número de obras de investigação e teses universitárias nos domínios da língua e da história das mentalidades.

 

Em 1866, com o grau de bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra, Eça de Queiroz instalou-se em Lisboa, iniciando a sua colaboração jornalística na Gazeta de Portugal, com umas «Notas Marginais».

 

A partir de 6 de Janeiro de 1867 inicia-se a sua estreita ligação à cidade de Évora. Efectivamente, encontrou trabalho nesta cidade aos 21 anos de idade, como redactor-principal do bi-semanário o Distrito de Évora, aceitando a proposta que os amigos e parentes de seu pai, residentes na cidade, lhe haviam feito. Supõe-se que não devem ser estranhos ao convite, o Par do Reino e grande proprietário, Dr. José Maria Eugénio de Almeida e Lobo de Ávila, depois Conde de Valbom, que devem ter sido condiscípulos do pai do romancista na Universidade de Coimbra. Neste jornal, Eça de Queiroz escreveu o editorial e outros artgos como a «Crónica», a «Correspondência do Reino», a «Revista crítica dos Jornais», a «Política Estrangeira», a «Crítica de Literatura e Arte» e «Leituras Modernas». Eça foi na realidade o director, o chefe de redacção, o redactor e o repórter do periódico. Até 11 de Julho de 1867, Eça de Queiroz manteve a viva a chama do jornalismo combativo e de intervenção nesta cidade.

 

Foi também em Évora que abriu um escritório de advogado pela primeira vez. Com efeito, foi defensor de André Maria Ferreira Vilalobos, o qual denunciava o «escandaloso» aforamento da herdade do Sobral, em detrimento da Casa Pia da cidade. Em Dezembro de 1867 deixa a cidade de Évora para se estabelecer como advogado em Lisboa. A partir desta década desenvolverá a actividade literária e cultural por que é conhecido.

 

Participou nas Conferências do Casino e é um dos membros da Geração de 70. Foi nomeado cônsul, tendo viajado pelo Egipto, Cuba, Londres, Paris, etc. Das suas obras destacam-se Uma Campanha Alegre (1871), O Crime do Padre Amaro (1875-1876), O Primo Basílio (1878), A Relíquia (1887), Os Maias (1888), A Correspondência de Fradique Mendes (1900), A Cidade e as Serras (1901), Contos (1902) e Prosas Bárbaras (1903). Traduziu o romance de Rider Haggard, As Minas de Salomão.

 

 

 

 

 

 

 

In Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Lisboa; Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia Lda., [195-]. Vol. IX, pp. 385-387.

 

In SILVA, Joaquim Palminha (Coord.) - Dicionário Biográfico de Notáveis Eborenses 1900/2000. Évora: Tip. Diário do Sul, 2004. pp. 111-112.

 

Publicado:

2007-09-21 10:03:33

   
Um Projecto Fundação Alentejo-Terra Mãe Projecto Financiado Pela União Europeia Pos Conhecimento